Resultados exatos
Buscar em títulos
Buscar no conteúdo
Buscar em posts
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
+ Natureza
Abandonados
Banner
Cachoeiras
Cachoeiras em Baependi
Cachoeiras em Biritiba Mirim
Cachoeiras em Boiçucanga
Cachoeiras em Bueno Brandão
Cachoeiras em Cubatão
Cachoeiras em Ilha Grande
Cachoeiras em IlhaBela
Cachoeiras em Joanópolis
Cachoeiras em Maromba
Cachoeiras em MG
Cachoeiras em Mogi das Cruzes
Cachoeiras em Paranapiacaba
Cachoeiras em Petrópolis
Cachoeiras em Prudentópolis
Cachoeiras em São Bernardo
Cachoeiras em São José do Barreiro
Cachoeiras em São Sebastião
Cachoeiras em São Thomé das Letras
Cachoeiras em SP
Cachoeiras em Tabuleiro
Cachoeiras em Visconde de Mauá
Cachoeiras em Votorantim
Cachoeiras na Bahia
Cachoeiras na Chapada Diamantina
Cachoeiras no Alto Caparaó
Cachoeiras no Espírito Santo
Cachoeiras no Paraná
Cachoeiras no Rio de Janeiro
Camping
Campings em Bertioga
Cata Lixo
Cavernas
Curiosidades
Dicas
Doação de Sangue
Economizar para viajar!
Entretenimento
Equipamentos
Fazendo o Bem
Grutas em São Sebastião
Grutas em São Thomé das Letras
Grutas na Chapada Diamantina
Iniciantes
Legais
Livros
Mergulho Livre
Montanhas
Montanhas em Aiuruoca
Montanhas em Atibaia
Montanhas em Baependi
Montanhas em Biritiba Mirim
Montanhas em Cunha
Montanhas em Espirito Santo
Montanhas em Extrema
Montanhas em Guarulhos
Montanhas em Ilhabela
Montanhas em Mairiporã
Montanhas em Minas Gerais
Montanhas em Mogi das Cruzes
Montanhas em Monte Verde
Montanhas em Passa Quatro
Montanhas em Petrópolis
Montanhas em Piquete
Montanhas em São Bento do Sapucaí
Montanhas em São José do Barreiro
Montanhas em São Paulo
Montanhas em São Thomé das Letras
Montanhas em Ubatuba
Montanhas em Visconde de Mauá
Montanhas na Bahia
Montanhas na Chapada Diamantina
Montanhas na Cidade de São Paulo
Montanhas na Lapinha da Serra
Montanhas no Alto Caparaó
Montanhas no Itatiaia
Montanhas no Rio de Janeiro
Outros
Paranapiacaba
Pedal
Plaquinhas do Bem
Poços Cristalinos
Praias
Praias em Bertioga
Praias em Ilha Grande
Praias em IlhaBela
Praias em Peruíbe
Praias em São Paulo
Praias em São Sebastião
Praias em Ubatuba
Praias no Guarujá
Praias no Rio de Janeiro
Queluz
Relatos
Roteiros
Segurança
Sustentabilidade
Travessias
Travessias em Cubatão
Travessias em Minas Gerais
Travessias em Mogi das Cruzes
Travessias em Paranapiacaba
Travessias em Passa Quatro
Travessias em Petrópolis
Travessias em São Bernardo
Travessias em São José do Barreiro
Travessias em SP
Travessias em Teresópolis
Travessias no Rio de Janeiro
Trilhas
Trilhas em SP
{ "homeurl": "http://coconomato.com.br/", "resultstype": "vertical", "resultsposition": "hover", "itemscount": 4, "imagewidth": 70, "imageheight": 70, "resultitemheight": "70px", "showauthor": 0, "showdate": 1, "showdescription": 1, "charcount": 3, "noresultstext": "Sem resultados:", "didyoumeantext": "Você quis dizer?", "defaultImage": "http://coconomato.com.br/wp-content/plugins/ajax-search-lite/img/default.jpg", "highlight": 0, "highlightwholewords": 1, "scrollToResults": 0, "resultareaclickable": 1, "defaultsearchtext": "", "autocomplete": { "enabled" : 1, "lang" : "en" }, "triggerontype": 1, "triggeronclick": 1, "redirectonclick": 0, "trigger_on_facet_change": 1, "settingsimagepos": "left", "hresultanimation": "fx-none", "vresultanimation": "fx-none", "hresulthidedesc": "1", "prescontainerheight": "400px", "pshowsubtitle": "0", "pshowdesc": "1", "closeOnDocClick": 1, "iifNoImage": "description", "iiRows": 2, "iitemsWidth": 200, "iitemsHeight": 200, "iishowOverlay": 1, "iiblurOverlay": 1, "iihideContent": 1, "iianimation": "1", "analytics": 1, "analyticsString": "busca-{asl_term}", "redirectonclick": 0, "redirectClickTo": "results_page", "redirect_on_enter": 0, "redirectEnterTo": "results_page", "overridewpdefault": "0" }

Pedra da Macela – Um mirante espetacular

Mais um relato enviado pelo nosso colaborador Vgn Vagner contando mais uma aventura com seus amigos sentido a Pedra da Macela.

Pedra da Marcela

Pedra da Macela

Pedra da Macela – O Relato

“Minha cabeça estava a mil, ou melhor, a milhão; com o coração partido e uma angustia dominante. Preocupação e sofrimento, choros e abatimento emocional faziam parte de uma fase ruim que me fez desanimar por completo depois do ocorrido misterioso. Eu não tinha o menor pique para fazer qualquer atividade na área que tanto me fascina: trilhas. Mas, ciente de que nas trilhas estava minha injeção de ânimo, minha motivação, minha retomada, me propus a derrotar os meus demônios e vencer essa batalha. Fui na busca de alimentar minha alma com as energias da natureza.”

Veja outras Montanhas em São Paulo.

O Destino – Pedra da Macela

Pedra da Macela

Pedra da Macela

A princípio seria algo simples, um bate/volta dominical à 80 km de São Paulo rumo às Gerais, ver o pôr do sol e jogar conversa fora com os amigos, me distrair. Mas aquilo que duraria algumas horas, logo ganhou a soma de um pernoite. Tudo por que pude visualizar uma foto fantástica de um Pico que eu ainda não conhecia na Serra da Bocaina, porém, em sentido totalmente contrário (RJ), e bem mais distante, 225 km de Sampa. Mas a distância não era problema. Com a foto em mãos, os “caras” nem pensaram duas vezes…
#PartiuCunha-SP, acampar na Pedra da Macela e se energizar com a beleza daquele lugar, vista a 1.840 metros de altitude.

Relato

O combinado foi nos encontrarmos ao meio dia na estação do Metrô Itaquera, e assim foi feito. Coloquei o “Fiesta Guerreiro” na direção da Rodovia Ayrton Senna, SP-070, e seguimos nela por algumas horas, até que ela se encontrasse com a Dutra, onde rodamos mais alguns-vários quilômetros e pagando pedágios até Guaratinguetá, onde pegamos a deserta Rod. SP-171, que através da sequência de vários sobe/desce, leva à micro cidade de área rural, Cunha. Onde aproveitamos para procurar um lugar pra almoçar.
Bem no centro da cidade, há um mirante que leva seu olhar a vagar sobre a região montanhosa e verdejante. Local ideal para uma sessãozinha de fotos, passear de mãos dados com a namorada e contemplar a beleza. Existe também uma igreja muito bonita na praça central, onde se vê vários senhores, veteranos, papeando e fumando seus cigarros de fumo de corda e vendo a vida passar. Restaurante é o que não falta por lá, e depois de comer avontê por $15, seguimos novamente pela SP-171 até o km 66.

Muita gente indica em seus relatos, que a entrada que leva até a Pedra da Macela está no km 65 (o que não é verdade). Rodamos toda sua extensão a procura da tal entrada, e pouco depois de perguntar para uma senhorinha local, no início do 66, vimos a estrada de terra que vai em direção à Cervejaria Wolkenburg, e ali, onde a estradinha de bifurca, pegamos a direita e chegamos rapidinho na área onde se deixa os carros.
Ajeitamos nossas cargueiras e seguimos obrigatoriamente pela continuação da estrada, que pós portão se torna uma subidinha exigente e cansativa, dá até pra deixar a lingua de fora kkk. São 2,3 km de subida, num desnível de 300 metros até o topo. Não tem como se perder, é uma estrada sem bifurcações, nem estreitamentos. Ela segue sempre bem aberta com algumas picadas à direita de quem sobe, e essas curtas picadas levam à mirantes que já permitem um pouco da visão litorânea.
Nossa expectativa era conseguir chegar a tempo de ver o sol se pôr, mas como tivemos paradas para comer e uma perca de tempo à procura de leite (rsrs)… O sol não espera. Chegamos ao topo com apenas a tonalidade alaranjada colorindo céu de forma sem igual, e precedendo o crepúsculo. Formidável.

Pedra da Marcela - Anoitecer

Pedra da Marcela – Anoitecer

Pouco depois, já no ponto mais alto, a cena que se abriu à nossos olhos foi de tirar o fôlego. Toda imensidão da Baía de Angra dos Reis à nossa frente sendo abraçada pelos paredões da Serra do Mar, ao fundo, planando na linha do horizonte, a Ilha Grande, e mais à direita, a cidade de Paraty acendendo suas luzes aos milhares para receber a noite. Tudo muito lindo!!

Com a chegada da noite, veio o frio arrastado por um vento fooorte que parecia querer rasgar a pele. As barracas já foram montadas em pontos estratégicos entre as rochas e árvores que serviram de proteção contra a friaca que o vento traria na madruga. Na hora em que fui colocar meu isolante térmico dentro da barraca… Cadê ele ?
Resposta interna imediata: PUUUTZ, FICOU LÁ NO CARRO!!!

Essa afirmação soou como canção para os ouvidos do Valério, que automaticamente já disse: a gente desce lá pra buscar (ele gosta de andar), hehe. O Edu e o Léo preferiram ficar lá encima mesmo, enquanto iríamos fazer “o resgate do esquecido.”
Como estávamos sem mochilas, foi uma descida ra´pida e tranquila. A não ser pelos morcegos que davam seus rasantes em nossa direção, o ponto de acertarem nossas cabeças numa colisão frontal. Mas, como a gente manja dos Paranauê, as esquivas foram suficientes rs.
Logo mais a frente, na metade da caminhada, nosso facho de luz refletiu em um par de olhos à beira da estrada, próximo ao chão.

– o que será ?
– não sei. Vamos avançando.

Quando chegamos perto, tive a certeza: é uma cobra, e das grandes, enrolada, pronta pra dar o bote. Ficamos um tempo ensaiando de passar, ou na espera de que “ela” fosse embora com a nossa presença,” mas não foi.

– e agora, Vagner ?
– Ah, vamos ter que passar. Vai na frente, que eu fico iluminando ela.

De repente… o bicho dá um salto, bate as asas e voa, kkkkkkkkkkk ERA UM PASSARINHO!!! Seus abestadôôô kkkk. E nós dois morrendo de medo kkkk.

Depois dessa comédia, chegamos rápido ao carro, pegamos o isolante e voltamos. No caminho de volta encontramos com um quarteto indo embora, eles estavam fotografando no topo quando chegamos, e agora deixavam o pico só pra nós hehe. Encontramos em seguida, o guardinha que fica cuidando do perímetro das torres de transmissão durante a noite para evitar invasores. Detalhes a parte, voltamos ao encontro dos camaradas que estavam a registrando a beleza noturna.

Agora sim! todos acomodados, era hora de começar a brincadeira. O céu, que a partir daquele momento se mostrava num tom negro intenso, oferecendo estrelas, constelações e cometas rasgando o céu, estava propício pra uma longa sessão. O bate papo ia longe entre as tremidas e os queixos que se batiam, risada era o que não faltava, e pra completar, o Edu portava um “Estúdio Móvel” na mochila. Minuciosamente ele sacou os equipos, armou o tripé na direção em que podíamos registrar as melhores fotos daquela noite, e da forma mais criativa que tínhamos no momento, inventando rs. As nuvens se dissiparam e permitiram uma exposição noturna maravilhosa, com zilhões de estrelas formando nosso teto (um prato cheio para Astrônomos). O Cruzeiro e As Três Marias eram fácil de identificar, outras constelações que nem imagino o nome, compunham aquela beleza impar, que em horas depois, com o tempo mais aberto ainda, nos permitiu assistir o rastro da Via Láctea seguindo à nordeste. FANTÁSTICO!!!

“lembro de quando, por duas vezes, vi estrelas cadentes cortarem o céu, e naquela fantasia utópica que trazemos da infância, eu fiz meu pedido: Que “Ele” seja encontrado logo, para por fim em todo mistério todo.”

 

Pedra da Marcela - Noite

Pedra da Macela – Noite

Outra certeza naquela noite, seria o frio da madrugada. Mesmo estando na barraca, com isolante térmico, saco de dormir, meias, calças, blusa fleece, touca e infinidades, eu passei frio. Tinha hora que dava pra perceber a temperatura despencar do nada, oscilava muito, e era aí que vinha a friaca que não me deixava dormir. Um adjetivo pra me manter acordado era o ronco do meu companheiro de barraca (eu mereço kkk). Dava pra ouvir “os caras” lá na outra barraca dando risada disso rs.
A noite até que não demorou muito a passar, acredito que às 4h da madruga eu consegui pegar no sono. Mas para minha infelicidade, às 04:40 a.m. chega um grupo gritando e fazendo arruaça por terem alcançado o pico antes do sol nascer. Daí pra frente, quem dorme? Ainda ficamos um tempo “dentro de casa” pra manter o corpo quente. Cinco e quarenta começamos a sair, e mais pessoas iam chegando, o frio diminuindo e a claridade se apresentando na linha do horizonte.

O espetáculo começou, mas, por trás das poucas nuvens que pairavam além das montanhas. O que não permitiu que ele se mostrasse como esperávamos: singular e soberano, uma esfera de fogo e sem ornamentos a emergir de seu descanso. Mas não foi possível. Quando ele se mostrou por completo, toda escuridão do céu já havia sumido, e o presente que nos foi dado, também, foi um show do qual adoramos ver. Reverências ao sol, sempre.

 

Pedra da Marcela - Nascer do Sol

Pedra da Macela – Nascer do Sol

Tempos depois, os que chegaram para ver o sol iluminar o dia, partiam. Outros demoraram mais um pouco, até que restassem só nós quatro novamente. Começamos a recolher acampamento, tira a “foto saideira” e seguir nosso rumo. A intenção era chegar cedo em Sampa, pois era o dia do níver da mãe do Léo, e ele não queria estar ausente a essa data tão importante S2. Mas antes de partirmos, se aproximava um “guardinha de coturno,” com sua calça preta, boné e livro negro na mão. Pensei: pronto! vai embaçar!

Chegou quieto, sem falar nada, e com a pose de autoridade só olhava a gente tirar nossa última foto.

Virei, olhei e disse:
– bom dia! Você é guardinha ?
– não! sou controlador de acesso – respondeu.
– Aahhh…
– preciso que vocês assinem o livro.
– por quê ? tem algum problema ?
– é por quê vocês acamparam aqui, e temos esse controle. Mas não tem problema nenhum.
– Atah, menos mal.

Enquanto assinávamos o tal livro, puxamos papo com ele, que foi super atencioso e cordial com as infos dos picos da região. Bem diferente da postura aparente que trouxe na primeira impressão. Depois de terminar a conversa, partimos em direção ao início da trilha, deixando para trás uma história prazerosa, construída em algumas horas de permanência em um Pico de um visual incrível.
Ainda encontramos pelo caminho muitas pessoas subindo e perguntando detalhes de como estava a vista lá de cima, quanto tempo ainda restava, se estava longe e etc… O pior foi perceber que teve dois deles que estavam subindo sem nada em mãos, nenhuma garrafinha dágua. Com o sol que estava fazendo, era certeza de que iriam sofrer com a sede, pois no caminho não há pontos para pegar água.
Bom… cada qual sabe onde pisa (eu acho). E eu pisei no acelerador às 10:30h em direção a capital. Saí de lá com novos ares, renovado. A maravilha natural e a presença/diversão com os amigos foi essencial para minha recosntrução emocional.

“Tô de volta no jogo!! hehe”. Foi essa expressão que eu carregava internamente, depois de viver o que vivi naquele final de semana abençoado (23 e 24/05/2015).

Visual da Pedra da Marcela

Visual da Pedra da Macela

-fim-
DETALHES:

Onde: Paraty-SP
Dificuldade de navegação: zero
Percurso: 2,5 km ida + 2,5 km volta
Terreno: só subida (desnível de 300 mts)
Altitude: 1.840 metros
Pontos de água: apenas no início da trilha (leve o suficiente)
Vista: panorâmica (Cadeia de montanhas da Serra do Mar, Baía de Angra dos Reis, Paraty e Ubatuba, e ao fundo: Ilha Grande)
Estrutura: Não há. Traga todo lixo que produzir

Quer enviar seu relato? Clique em “Envie seu Relato!” e compartilhe sua aventura no nosso site!

Largamos tudo e estamos viajando o mundo de bicicleta cadastrando mais atrativos naturais com todas informações necessárias para facilitar sua trip! Apoie nosso projeto fazendo uma doação de qualquer valor!


Atenção

Este conteúdo, assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios é de responsabilidade do usuário Vgn Vagner do site Côco no Mato.

O Côco no Mato disposibiliza o espaço do site para que qualquer interessado possa contribuir com os artigos.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Autor: Vgn Vagner
Posts escritos: 4

sou, mais ou menos, isso aí.: Vgn Vagner. Prazer!!

Compartilhe este post no