Resultados exatos
Buscar em títulos
Buscar no conteúdo
Buscar em posts
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
+ Natureza
Abandonados
Banner
Cachoeiras
Cachoeiras em Baependi
Cachoeiras em Biritiba Mirim
Cachoeiras em Boiçucanga
Cachoeiras em Bueno Brandão
Cachoeiras em Cubatão
Cachoeiras em Ilha Grande
Cachoeiras em IlhaBela
Cachoeiras em Joanópolis
Cachoeiras em Maromba
Cachoeiras em MG
Cachoeiras em Mogi das Cruzes
Cachoeiras em Paranapiacaba
Cachoeiras em Petrópolis
Cachoeiras em Prudentópolis
Cachoeiras em São Bernardo
Cachoeiras em São José do Barreiro
Cachoeiras em São Sebastião
Cachoeiras em São Thomé das Letras
Cachoeiras em SP
Cachoeiras em Tabuleiro
Cachoeiras em Visconde de Mauá
Cachoeiras em Votorantim
Cachoeiras na Bahia
Cachoeiras na Chapada Diamantina
Cachoeiras no Alto Caparaó
Cachoeiras no Espírito Santo
Cachoeiras no Paraná
Cachoeiras no Rio de Janeiro
Camping
Campings em Bertioga
Cata Lixo
Cavernas
Curiosidades
Dicas
Doação de Sangue
Economizar para viajar!
Entretenimento
Equipamentos
Fazendo o Bem
Grutas em São Sebastião
Grutas em São Thomé das Letras
Grutas na Chapada Diamantina
Iniciantes
Legais
Livros
Mergulho Livre
Montanhas
Montanhas em Aiuruoca
Montanhas em Atibaia
Montanhas em Baependi
Montanhas em Biritiba Mirim
Montanhas em Cunha
Montanhas em Espirito Santo
Montanhas em Extrema
Montanhas em Guarulhos
Montanhas em Ilhabela
Montanhas em Mairiporã
Montanhas em Minas Gerais
Montanhas em Mogi das Cruzes
Montanhas em Monte Verde
Montanhas em Passa Quatro
Montanhas em Petrópolis
Montanhas em Piquete
Montanhas em São Bento do Sapucaí
Montanhas em São José do Barreiro
Montanhas em São Paulo
Montanhas em São Thomé das Letras
Montanhas em Ubatuba
Montanhas em Visconde de Mauá
Montanhas na Bahia
Montanhas na Chapada Diamantina
Montanhas na Cidade de São Paulo
Montanhas na Lapinha da Serra
Montanhas no Alto Caparaó
Montanhas no Itatiaia
Montanhas no Rio de Janeiro
Outros
Paranapiacaba
Pedal
Plaquinhas do Bem
Poços Cristalinos
Praias
Praias em Bertioga
Praias em Ilha Grande
Praias em IlhaBela
Praias em Peruíbe
Praias em São Paulo
Praias em São Sebastião
Praias em Ubatuba
Praias no Guarujá
Praias no Rio de Janeiro
Queluz
Relatos
Roteiros
Segurança
Sustentabilidade
Travessias
Travessias em Cubatão
Travessias em Minas Gerais
Travessias em Mogi das Cruzes
Travessias em Paranapiacaba
Travessias em Passa Quatro
Travessias em Petrópolis
Travessias em São Bernardo
Travessias em São José do Barreiro
Travessias em SP
Travessias em Teresópolis
Travessias no Rio de Janeiro
Trilhas
Trilhas em SP
{ "homeurl": "http://coconomato.com.br/", "resultstype": "vertical", "resultsposition": "hover", "itemscount": 4, "imagewidth": 70, "imageheight": 70, "resultitemheight": "70px", "showauthor": 0, "showdate": 1, "showdescription": 1, "charcount": 3, "noresultstext": "Sem resultados:", "didyoumeantext": "Você quis dizer?", "defaultImage": "http://coconomato.com.br/wp-content/plugins/ajax-search-lite/img/default.jpg", "highlight": 0, "highlightwholewords": 1, "scrollToResults": 0, "resultareaclickable": 1, "defaultsearchtext": "", "autocomplete": { "enabled" : 1, "lang" : "en" }, "triggerontype": 1, "triggeronclick": 1, "redirectonclick": 0, "trigger_on_facet_change": 1, "settingsimagepos": "left", "hresultanimation": "fx-none", "vresultanimation": "fx-none", "hresulthidedesc": "1", "prescontainerheight": "400px", "pshowsubtitle": "0", "pshowdesc": "1", "closeOnDocClick": 1, "iifNoImage": "description", "iiRows": 2, "iitemsWidth": 200, "iitemsHeight": 200, "iishowOverlay": 1, "iiblurOverlay": 1, "iihideContent": 1, "iianimation": "1", "analytics": 1, "analyticsString": "busca-{asl_term}", "redirectonclick": 0, "redirectClickTo": "results_page", "redirect_on_enter": 0, "redirectEnterTo": "results_page", "overridewpdefault": "0" }

Trilha Inca de Machu Picchu – Trilha de Salkantai SEM GUIA!

Trilha Inca de Machu Picchu – Um dos destinos mais desejados do mundo pelos viajantes, integrante do time das Novas 7 Maravilhas do Mundo ( 7 Maravilhas do Mundo Moderno) e um dos maiores tesouros arqueológicos do planeta. Para conhecer esse esplendoroso lugar no coração do Peru existem diversas formas, Trilhas, trens e cia, com ou sem guias, gastando-se muito, pouco e muito pouco. Aqui iremos compartilhar nossa experiência até a Cidade Inca pelo Caminho de Salkantai que é a melhor alternativa para quem quer gastar pouco ou que infelizmente não conseguiu as entradas para fazer o Caminho Tradicional Inca ou Trilha Inca.

Veja abaixo um tutorial completo da travessia do Caminho de Salkantai, custo, dicas, como chegar, bifurcações e tudo que é necessário para fazer a Trilha de Salkantai.

Trilha Inca de Machu Picchu

Trilha Inca de Machu Picchu

Informações gerais do Caminho de Salkantai – Trilha Inca de Machu Picchu

  • Cidade: Águas Calientes – Cusco/Peru;
  • Não é obrigatório contratar Guias ou agencias de viagens;
  • Não é obrigatório/necessário fazer reservas para a trilha nem em camping e cia;
  • Custo: Do Brasil incluindo Passagens e alimentação e “hospedagem” mínimo de R$ 1500,00 máximo o quanto puder pagar;
  • Dificuldade Física: Difícil;
  • Dificuldade de Navegação: Moderada;
  • Tipo do terreno: Caminho com muitas subidas, descidas e terrenos planos;
  • Quantos KM:  Entre 55 km a 90 Km (é possível passar alguns trechos de carro)
  • Quanto tempo: Varia de acordo com o seu ritmo e planejamento, a forma tradicional de fazer a trilha de Salkantai são 4 dias, porém você pode fazer entre 3 até 6 dias;
  • Bons lugares para acampar.

Como chegar a Trilha de Salkantai 1º dia;

Você precisa chegar a Mollepata que fica a cerca de 80 KM de Cusco, a forma mais barata são as vans, de Cusco é possível pegar um táxi que vai até a Av. Arcopata ( + ou – 5 soles de Cusco até lá), assim que descer do táxi outros taxistas irão oferecer a viagem a Mollepata cobram cerca de 80 soles a viagem, (carro cheio ou com 1 pessoa) se tiver um grupo é só dividir ou ir de Van cerca de 15 soles por pessoa (fomos de Van por estarmos em 2 pessoas para baratear a viagem), as vans assim como os táxis começam a sair a partir da 5 horas da manhã, as vans costumam trabalhar em regime de lotação, o que as vezes pode obrigar-lhe a ficar bastante tempo esperando ela encher. A viagem dura cerca de 2 horas até Mollepata.

Em Mollepata existem opções de hospedagem caso ache interessante passar uma noite por lá. O trecho de Mollepata a Soray Pampa é costumeiramente “pulado” por quem decide fazer a trilha de Salkantai, por tratar-se de trecho de estrada e não trilha e por ter uma distância relativamente alta, cerca de 23 km de subida intensa além da altitude que começa nos 2900 a vai até 3800 acima do nível do mar. Quem chega cedo no povoado costuma pegar “carona” em caminhões (pagando 10 soles por pessoa) ou sobem a cavalo até Soray Pampa. Ainda existe a possibilidade da Van que você for de Cusco a Mollepata subir até Soray Pampa, mas nesse caso os motoristas costumam cobrar nada menos que 100 soles por pessoa, mas nada lhe impede de tentar negociar, pois tudo é negociável no Peru em relação a compra ou contratação de serviços.  Aconselhamos quem fizer o caminho de Salkantai tentar subir de carro, van, cavalo ou caminhão, pois o caminho não tem muitos atrativos e é bem cansativo e os próximos dias de trilha são imensamente mais recompensadores que este percurso. O que talvez faça a caminhada interessante é o fato da adaptação do corpo em relação a altitude.

Se for a pé, neste trecho leve no mínimo 1 litro de água, no caminho existem algumas bicas as quais é possível reabastecer seu cantil, também irão passar por algumas vendas, onde tem salgadinhos, água, refrigerantes e cia, caso não estejam abertas é só bater palma que alguém vem lhe atender, a navegação é bem simples, é só seguir a estrada e sempre que possível pergunte a algum local se esta no caminho certo, é importantíssimo durante toda a trilha saber o nome de onde você quer chegar, pois mesmo com alguma dificuldade em se comunicar devido o idioma conseguirá se localizar.

Em muitos lugares talvez tenha lido que não é bom confiar nos peruanos ou coisa do tipo, mas nós só temos a agradecer a ajuda e hospitalidade de todos as pessoas desde Desaguadeiro (fronteira Bolivia/Peru) a Machu Picchu.

Assim que chegar a Soray Pampa, já terá um acampamento “Refúgio Salkantai”, lá tem banheiro, pia, chuveiro com água fria. Existe alguns quartos que são possíveis serem alugados, mas que infelizmente não pegamos o preço já que acampamos. Geralmente fica um “caseiro” ele costuma cobrar 15 soles da barraca, no entanto ele oferece chás, uma janta simples e monta uma fogueira durante a noite. O que faz valer a pena o investimento. Alertamos que não é uma regra, mas com boa conversa e humildade tem-se muito a ganhar com eles. A paisagem é magnífica com 2 geleiras uma na direita outra na esquerda com a uma montanha entre as duas, a noite é belíssima com milhões de estrelas brilhando no céu e se tiver sorte de uma lua cheia iluminando todo o camping com toda certeza será uma das noites mais maravilhosas de suas vidas. Provavelmente seja sua noite mais fria, mas nada que bons agasalhos não te conforte.

Existe uma série de outros campings , alguns gratuitos onde se cobram apenas o que consumir no bar ou cantina do local, tem um hotel que reza a lenda que a diária ultrapassa os 500 dólares, é um hotel lindíssimo, e se alguém ficar nele por favor nos conte o preço.

Trilha Inca de Machu Picchu - Refúgio Salkantai

Trilha Inca de Machu Picchu – Refúgio Salkantai

Resumo do 1º dia – Trilha Inca de Machu Picchu

  • Percurso: Cusco/Mollepata a Soray Pampa;
  • distância: 23km;
  • Altitude: 2900 a 3800
  • Possível comprar coisas no caminho (alimentação e água)
  • Acampamentos em Soray Pampa (pagos e gratuitos)

2º dia Soray Pampa a Chaullay

Se você foi andando de Mollepata até Soray Pampa, com certeza já tem ideia do quanto a altitude interfere no seu corpo e  o quanto foi pesada ao não o trajeto com peso da cargueira e a longa caminhada. Se foi utilizando algum meio de transporte prepare-se pois não sera um dia muito fácil. É possível contratar cavalos para subir com as cargueiras e até com você mesmo até o cume da Montanha de Salkantai, que inicia-se a 3800 metros e vai até os 4600 de altitude, são cerca de 4 a 6 horas subindo, a altitude costuma castigar um pouco mais nesse trajeto, o preço é um pouco salgado, cerca de 100 soles por cavalo e é bom saber que não é possível subir com sua cargueira no mesmo cavalo, ou sobe 2 cavalos e só as cargueiras, no caso de mochilas costumam deixar ir 2 com cerca de 20 kg cada uma nos cavalos.

Será com certeza o dia com paisagens mais lindas, além das maravilhosas montanhas, o trajeto conta com um vale com água correndo o tempo todo, um verde exuberante, vezes coberto com gelo e o sol de fundo. Quando chega ao cume “Abra Salkantai” é possível ver as nuvens abaixo de seus pés e um caminho bem demarcado, a direita saíra na “Inka Trail”, a qual é obrigatório guias e o ingresso para passar, descendo a esquerda a trilha bem demarcada chegará a outro vilarejo, onde os grupos guiados costumam fazer uma pausa para descanso e almoço. Durante a descida provavelmente se defronte com locais subindo e descendo com cavalos e mulas, na dúvida pergunte se esta certa a direção para Chaullay, porém e muito difícil perder-se já que o caminho e muito bem demarcado e costuma ter vez ou outra fezes de cavalos o que indica que esta no caminho certo. Dos 4600 de altitude que estava no cume do Salkantai ira descer até 2850, onde sua respiração ficará um pouco melhor.

Sua primeira opção de acampamento será em Huayraqmachay que fica a cerca de 11 km de Soray Pampa, próximo a ele terá também um hotel, optamos por continuar a trilha até Chaullay. Do “Abra Salkantay” a Chaullay é basicamente só descida, com pouquíssimas subidinhas, mas o peso da cargueira e a exaustão inicial da subida pode judiar bastante até Chaullay. O percurso todo tem cerca de 19 km, depois de Huayraqmachay, você irá passar por mais um vilarejo antes de Chaullay onde é possível comprar algum mantimento se quiser e se estiver imensamente cansado tentar arrumar algum canto no quintal de alguém para dormir, mas falta pouco para Chaullay, cerca de 4 km de descida forte, daquelas que os dedos ficam pressionados na ponta da bota. Chegando em Chaullay tem opções para camping, indicamos o Camping Elgoyito Bar, por que o dono é simplesmente uma pessoa maravilhosa, devido a ajuda que nos deu, ele não cobra pelo camping apenas o consumo do bar se você consumir, lá também é parada para o pessoal que vai com agencias e guias e o ambiente é bem animado. Durma e descanse bem, por que o trajeto ainda não acabou. É possível ir até Collpapampa cerca de 30 minutos depois de Chaullay, porém passa-se por mais uma subida.

Importante levar de 1 a 2 litros de água por pessoa, existem trechos com água durante quase toda subida do Salkantai, depois chegando próximo a primeiro vilarejo e de Huayraqmachay para frente pouquíssimo pontos com água correndo o risco de não ter nenhum se for período de seca, por isso logo que passar o primeiro vilarejo cerca de uns 500 metros depois tera uma nascente, abasteça o suficiente para andar mais 8 a 10 km.

Trilha Inca de Machu Picchu - Caminho de Salkantai

Trilha Inca de Machu Picchu – Caminho de Salkantai

Resumo do 2º dia – Trilha Inca de Machu Picchu

  • Percurso: Soray Pampa á Chaullay
  • Distância: 19 km
  • altitude: 3800 a 4600 desce a 2850
  • Possível comprar coisas no caminho
  • Acampamento com boa estrutura

3º dia Chaullay a La Playa

Este dia é bem menos cansativos que os 2 primeiros, a única subida será de Chaullay a Colpapampa, a distância também é mais generosa menos de 15 km além disso você pode optar ir de carro até La Playa ou até mesmo negociar com algum taxista ou grupo que esta indo de carro para levar sua cargueira até o último refúgio (camping gratuito) de La Playa e deixar no bar em frente a ele, pagamos 10 soles para levarem minha cargueira que estava com mais de 25kg e não me arrependo. Assim como nos dias anteriores passarão por alguns lugares que vendem coisas para comer e beber. Existem dois caminhos ir pela estrada ou ir por trilha, lemos alguns relatos de pessoas que foram pela estrada, porém ela é totalmente exposta ao sol e bem acima do rio o que obriga a levarem bastante água, a trilha tem muita sombra de arvores e água basicamente o tempo todo e é o caminho utilizado pelos guias. De Chaullay até Collpapampa vai seguindo a estrada mesmo, conforme for descendo irá ver o rio da estrada mesmo, existe uma construção com uma ponte do lado esquerdo com um tanque de água, e uma ponte a direita para seguir pela estrada, desça a sua esquerda exatamente onde tem o “poço” atravesse a ponte acima do rio e já vera a trilha, siga-a sem preocupação até o final, terão curvas, pedras mas não bifurcações que possam te confundir, se quiser ir 100% certo saia do camping em La Playa junto com os grupos guiados.

Em La Playa logo que se chega na “vila” que é bem maior que as anteriores já tem alguns camping´s, butecos e cia, os grupos guiados vão até o final da vila mesmo que é de onde saem as vans e taxis para Santa Tereza, lá tem um restaurante com banheiro, chuveiro e uma comida até que agradável e o refúgio municipal onde pode-se acampar gratuitamente e também um hotel. Íamos ficar no refugio, mas o mesmo estava com mato alto, fezes de cachorro e cavalo, do lado dos bares e tal, um pouco “broxante” para quem quer sossego. Então decidimos ir para Santa Tereza.

Resumo do 3º dia – Trilha Inca de Machu Picchu

  • Percurso: Chaullay a La Playa
  • Distância: 14,5 KM
  • Altitude: 2850 a 2050
  • Possível comprar coisas no caminho
  • Opção em acampar ou seguir a Santa Tereza de transporte

La Playa/Santa Tereza/Hidrelétrica/Águas Calientes

De Lá Playa a Santa Tereza tem as pessoas que fazem a pé e as que vão de Van, quem vai andando precisa passar a noite em La Playa e seguir no dia seguinte a Santa Tereza, cerca de 10km de distância, porém 10 km de estrada de terra com bastante movimentação de carros e vans e sem muitos atrativos. Quem vai de Van ou táxi pode seguir no mesmo dia, a van fica em 10 soles por pessoa, se perguntar para o motorista mesmo da van ele pode indicar algum hostel, hotel ou pousada em Santa Tereza e ainda logo na entrada da cidade tem um camping que cobra 15 soles por barraca, seja com uma pessoa ou mais.

Santa Tereza é um bairro agradável e bem desenvolvido se pensarmos pelos locais q já tínhamos passado, com lan- houses, barzinhos, hoteis com wfi e cia, mas como estávamos pensando no preço ficamos numa Pousada “Huadquina”, como chegamos lá na terça-feira e nossas entradas para Machu Picchu era para sexta-feira, decidimos ficar por lá 2 dias pagamos 50 soles pelos 2 dias, tinha televisão, água quente e bastante cobertas.

Na quinta-feira saímos cedo da pousada e fomos atras de táxis para irmos para Hidrelétrica onde definitivamente iriamos para Machu Picchu, não adiantou muito pois os táxis são caros e as vans funcionam em regime de lotação o que nos fez termos que esperar por mais de 2 horas ela encher, cobram 5 soles por pessoa e demora cerca de 1 hora e meia até a Hidrelétrica/Ferrovia.

Chegando a Ferrovia você pode pegar o trem para Machu Picchu, que custa cerca de 70 soles por pessoa e o trem deve demorar uns 30 minutos no máximo até Águas Calientes ou pode fazer o trajeto do Trem a pé, e foi o que fizemos. O percurso é lindo beirando o rio e com vistas de montanhas a nossa frente e laterais, muitas pessoas fazem este caminho devido o trem ser absurdamente caro. Iniciando o caminho pelo trilho mesmo, irá passar por algumas vendas depois alguns restaurantes e placas indicando possíveis atalhos, nem se atente a isso, vá reto até chegar ao fim do trilho, a sua direita terá uma trilhazinha, suba ela inteira até sair nos trilhos de novo (10 minutos no máximo, sem bifurcações) chegando no trilho siga a sua esquerda feliz e contente desfrutando das belezas do caminho, terão trechos para você passar pela terra mas sempre seguindo o trilho. Se tiver calor aproveite de de uns Tchibuns no rio que é simplesmente lindo.

Logo que passar uma estação/galpão irá seguir a direita por uma estrada de terra, no final da descida do lado direito avistara o Camping Municipal, cobram 15 soles por barraca tambem, o camping é limpo tem banheiro, pia e chuveiro com água fria, mas é uma opção maravilhosa para quem quer economizar e ter uma noite linda e agradável, as montanhas a frente dele e o rio do lado o deixe majestosamente lindo e agradável além de estar do lado do início da trilha a Machu Picchu e a 15 minutos de Águas Calientes.

Finalmente MACHU PICCHU – Trilha Inca de Machu Picchu

O parque abre as 6 horas da manhã, você tem a opção de subir de micro ônibus mas pra variar é caríssimo e se ja chegou até aqui andando sem reclamar, não faz sentido algum pagas os mais de 30 dólares para subir cerca de 5 kM. Os ônibus vão pela estrada e quem sobe andando vai por uma escadaria de pedra, demora de 1:30 a 2 horas a caminhada, com bastante verde, neste trecho não tem água então leve a sua. Vá o mais cedo possível porque conforme vai passando as horas fica-se cada vez mais cheio o parque.

Machu Picchu é maravilhosa, cheia de beleza encantos e história, as diversas formas de se chegar faz com que a público dentro do parque seja totalmente diferente, temos de idosos a crianças andando para lá e para cá, pessoas ricas, classe média desta ou daquela parte do mundo. Acreditamos que ouvimos todos os idiomas falados no globo durante as horas que estivemos lá.

Trilha Inca de Machu Picchu - Geleira durante a Trilha

Trilha Inca de Machu Picchu – Geleira durante a Trilha

Para todos a experiencia de estar lá deve ser mágica e maravilhosa, mas para nós que fomos por Salkantai que percorremos mais de 60 KM andando fora os trechos de carro, as pessoas que foram pela INKA TRAIL acreditamos ter um gosto mais especial, uma energia diferente do que aqueles que foram todo o percurso de carro, trem, van e cia.

Desejamos de coração que nosso tutorial os ajude e os encoraja a fazer esta caminhada com ou sem guia por que realmente vale a pena.

Boa TRIP a todos!!!

Curta nossa página no Facebook e coloque para receber todes notificações para não perder nenhuma notícia de atrativos naturais maravilhosos em tode o Planeta!

Largamos tudo e estamos viajando o mundo de bicicleta cadastrando mais atrativos naturais com todas informações necessárias para facilitar sua trip! Apoie nosso projeto fazendo uma doação de qualquer valor!


Autor: Thiago Baiões
Posts escritos: 27

Nome: Thiago Henrique Baiões idade: 29 anos Estado Civil: Solteiro Formação: Pedagogia/MBA Gestão estratégica de negócios/ Psicopedagogia Institucional e clínica Hobbies: Ler, Ouvir música, Assistir filmes e TRILHAR POR AI Paixão pela vida e pelas pessoas Frases que me inspiram: "Vivo a viver a vida no segundo e no instante eu prefiro ser esta metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo." Raul Seixas "Liberdade, uma palavra que o sonho humano alimenta que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda." Cecilia Meireles

Compartilhe este post no

1 Comentário

  1. Poxa que legal ver mais relatos desses!! fiz um relato sobre salkantay sem guia também pra ajudar a galera, já que, na época que fiz não tinha muitas dicas disponíveis em português. fica a dica ai tb.

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *