Resultados exatos
Buscar em títulos
Buscar no conteúdo
Buscar em posts
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
+ Natureza
Abandonados
Banner
Cachoeiras
Cachoeiras em Baependi
Cachoeiras em Biritiba Mirim
Cachoeiras em Boiçucanga
Cachoeiras em Bueno Brandão
Cachoeiras em Cubatão
Cachoeiras em Ilha Grande
Cachoeiras em IlhaBela
Cachoeiras em Joanópolis
Cachoeiras em Maromba
Cachoeiras em MG
Cachoeiras em Mogi das Cruzes
Cachoeiras em Paranapiacaba
Cachoeiras em Petrópolis
Cachoeiras em Prudentópolis
Cachoeiras em São Bernardo
Cachoeiras em São José do Barreiro
Cachoeiras em São Sebastião
Cachoeiras em São Thomé das Letras
Cachoeiras em SP
Cachoeiras em Tabuleiro
Cachoeiras em Visconde de Mauá
Cachoeiras em Votorantim
Cachoeiras na Bahia
Cachoeiras na Chapada Diamantina
Cachoeiras no Alto Caparaó
Cachoeiras no Espírito Santo
Cachoeiras no Paraná
Cachoeiras no Rio de Janeiro
Camping
Campings em Bertioga
Cata Lixo
Cavernas
Curiosidades
Dicas
Doação de Sangue
Economizar para viajar!
Entretenimento
Equipamentos
Fazendo o Bem
Grutas em São Sebastião
Grutas em São Thomé das Letras
Grutas na Chapada Diamantina
Iniciantes
Legais
Livros
Mergulho Livre
Montanhas
Montanhas em Aiuruoca
Montanhas em Atibaia
Montanhas em Baependi
Montanhas em Biritiba Mirim
Montanhas em Cunha
Montanhas em Espirito Santo
Montanhas em Extrema
Montanhas em Guarulhos
Montanhas em Ilhabela
Montanhas em Mairiporã
Montanhas em Minas Gerais
Montanhas em Mogi das Cruzes
Montanhas em Monte Verde
Montanhas em Passa Quatro
Montanhas em Petrópolis
Montanhas em Piquete
Montanhas em São Bento do Sapucaí
Montanhas em São José do Barreiro
Montanhas em São Paulo
Montanhas em São Thomé das Letras
Montanhas em Ubatuba
Montanhas em Visconde de Mauá
Montanhas na Bahia
Montanhas na Chapada Diamantina
Montanhas na Cidade de São Paulo
Montanhas na Lapinha da Serra
Montanhas no Alto Caparaó
Montanhas no Itatiaia
Montanhas no Rio de Janeiro
Outros
Paranapiacaba
Pedal
Plaquinhas do Bem
Poços Cristalinos
Praias
Praias em Bertioga
Praias em Ilha Grande
Praias em IlhaBela
Praias em Peruíbe
Praias em São Paulo
Praias em São Sebastião
Praias em Ubatuba
Praias no Guarujá
Praias no Rio de Janeiro
Queluz
Relatos
Roteiros
Segurança
Sustentabilidade
Travessias
Travessias em Cubatão
Travessias em Minas Gerais
Travessias em Mogi das Cruzes
Travessias em Paranapiacaba
Travessias em Passa Quatro
Travessias em Petrópolis
Travessias em São Bernardo
Travessias em São José do Barreiro
Travessias em SP
Travessias em Teresópolis
Travessias no Rio de Janeiro
Trilhas
Trilhas em SP
{ "homeurl": "http://coconomato.com.br/", "resultstype": "vertical", "resultsposition": "hover", "itemscount": 4, "imagewidth": 70, "imageheight": 70, "resultitemheight": "70px", "showauthor": 0, "showdate": 1, "showdescription": 1, "charcount": 3, "noresultstext": "Sem resultados:", "didyoumeantext": "Você quis dizer?", "defaultImage": "http://coconomato.com.br/wp-content/plugins/ajax-search-lite/img/default.jpg", "highlight": 0, "highlightwholewords": 1, "scrollToResults": 0, "resultareaclickable": 1, "defaultsearchtext": "", "autocomplete": { "enabled" : 1, "lang" : "en" }, "triggerontype": 1, "triggeronclick": 1, "redirectonclick": 0, "trigger_on_facet_change": 1, "settingsimagepos": "left", "hresultanimation": "fx-none", "vresultanimation": "fx-none", "hresulthidedesc": "1", "prescontainerheight": "400px", "pshowsubtitle": "0", "pshowdesc": "1", "closeOnDocClick": 1, "iifNoImage": "description", "iiRows": 2, "iitemsWidth": 200, "iitemsHeight": 200, "iishowOverlay": 1, "iiblurOverlay": 1, "iihideContent": 1, "iianimation": "1", "analytics": 1, "analyticsString": "busca-{asl_term}", "redirectonclick": 0, "redirectClickTo": "results_page", "redirect_on_enter": 0, "redirectEnterTo": "results_page", "overridewpdefault": "0" }

Vale do Pati – Um guia completo para fazer a travessia

A trilha do Vale do Pati é considerada por muitos um dos trekkings mais bonitos de todo o Brasil devido a sua variedade de atrativos como cachoeiras gigantes, montanhas de formatos tortuosos, uma montanha com uma gruta em seu topo além da gruta possuir uma nascente de água limpida e cristalina, mirantes com cenários incríveis, além do prazer e paz que esta grandiosa travessia oferece a todos que se aventuram por ela, lembrando que toda a travessia do Vale do Pati oferece paisagens belíssima e especiais.

Veja abaixo um tutorial completo da travessia do Vale do Pati, custo, dicas, como chegar, bifurcações e tudo que é necessário para fazer a travessia do Vale do Pati.

Veja outras Grutas na Chapada Diamantina e também Cachoeiras na Chapada Diamantina.

Vale do Pati

Vale do Pati

Informações gerais da travessia do Vale do Pati

  • Cidade: Vale do Capão, BA;
  • Custo: Varia de R$200,00 até R$2000,00 (depende de onde você partir)
  • Dificuldade Física: Difícil;
  • Dificuldade de Navegação: Média;
  • Tipo do terreno: travessia com muitas subidas, descidas e terrenos planos;
  • Quantos KM:  Aproximadamente 45 km + a trilha até o Cachoeirão (opcional);
  • Quanto tempo: Varia de acordo com o seu ritmo e planejamento, a forma tradicional é fazer a trilha do Vale do Pati em 4 dias, porém você pode fazer em 3, 2 ou em 1 dia;
  • Principais atrativos: Cachoeirão (270 metros de queda e é a 4° maior cachoeirado Brasil), Morro do Castelo (1280 metros acima do nível do mar) com uma gruta com nascente de água límpida e cristalina, fora todos os mirantes e rios que você encontrará durante toda travessia do Vale do Pati;
  • Poço para banho: Sim não só na cachoeira mas durante boa parte da travessia do Pati;
  • Profundidade: Poço na cabeceira da cachoeira com aproximadamente 4 metros de profundidade. Poço principal aproximadamente 1 metro porém tem partes mais profundas, fique atento;
  • Altitude máxima da travessia do Vale do Pati: 1280 metros.

Veja também

As 10 Maiores Cachoeiras do Brasil

As 10 Montanhas mais Altas do Brasil

Serra da Mantiqueira e suas principais Montanhas e Travessias

Cachoeira da Fumaça a 2° maior do Brasil com 340 metros

Como chegar no Vale do Capão

Veja nosso guia de como chegar na Chapada Diamantina as informações para se chegar no Vale do Capão.

Como chegar no começo da Trilha do Vale do Pati

Chegando o Vale do Capão você deve perguntar para qualquer local qual é a estrada que segue para a trilha do Vale do Pati, você pode ir a pé, porém são uns 12 km de estrada de terra ou buscar algum translado local que te leve até o inicio da trilha (Custo aproximado R$60,00).

1° Dia da Travessia do Vale do Pati – Vale do Capão x Mirante do Vale do Pati

Vale do Pati - Após subida do 1° dia

Vale do Pati – Após subida do 1° dia

A trilha do Vale do Pati começa no final de uma estrada de terra de frente para um rio, atravesse o rio e a sua direita você verá uma placa indicando o inicio da travessia. Siga durante a única trilha bem batida até ela beirar o rio, quando a trilha começar a se afastar do rio é hora de abastecer os cantis para enfrentar uma longa subida.

A subida dura aproximadamente 1 a 2 horas, varia de acordo com seu ritmo. Antes de chegar no “topo” você encontrará uma pequena cachoeirinha, você pode pegar um pouco de água e ficar tranquilo pois existe mais um ponto até o final do dia.

Quando a subida acabar você ficará de frente a um cenário incrível, parecido com um canion gigantesco, com montanhas do lado direito e esquerdo.

Neste trecho após andar uns 15 minutos vire para o lado esquerdo e grite e você ouvirá um dos ecos mais loucos da sua vida.

Vale do Pati - Riachinho (Bifurcação a Direita)

Vale do Pati – Riachinho (Bifurcação a Direita)

Esse trecho é 100% plano sem grandes dificuldades físicas, você deve atentar-se somente a navegação. A trilha do Vale do Pati segue para o lado direito, você verá uma crista montanhosa e é por ali que você deve seguir, para facilitar a orientação você encontrará um córrego vermelho (pegue água suficiente para beber e cozinhar até o amanhecer). Antes de atravessar o córrego fique atento ao seu lado direito existe uma trilhazinha batida que leva você para o alto da crista que dará acesso ao mirante do Vale do Pati. CUIDADO  quando você atravessar esse córrego terá uma trilha MUITO bem batida subindo no mesmo sentido que você estava caminhando porém NÃO É ESSA A TRILHA.

Essa subida é bem curta, dura apenas uns 20 minutos. Chegando no seu topo você deve ir acompanhando a crista pela trilha batida durante aproximadamente 1 hora até chegar no belo mirante do Vale do Pati a sua esquerda, este é o melhor local de acampamento e você terá o melhor visual da travessia do Vale do Pati.

Neste trecho existem outras trilhas que se encontram vindas da cidade de Guiné para a travessia do Vale do Pati.

Este 1° dia é cansativo devido ao peso da mochila e seus trechos de subida.

2° Dia da Travessia do Vale do Pati – Mirante do Vale do Pati x Morro do Castelo x Camping mais próximo do Cachoeirão do Pati

Vale do Pati - Mirante do Pati

Vale do Pati – Mirante do Pati

O 2° dia da trilha do Vale do Pati é um dos mais tranquilos e belos da travessia.

Você terá duas opções para entrar no Vale do Pati, poderá descer uma trilha de frente com o mirante (sim parece que não tem nada, mas olhe bem que você encontrará uma trilha), se ficar com receio de ir pela mesma observe o seu lado direito (bem na direita), você verá um caminho que desce suavemente até as casas do Vale do Pati, para pegar essa trilha você deve seguir o mirante a direita até encontrar a mesma.

A trilha que vai direto é muito mais rápida porém perigosa e você sai de frente com o 1° abrigo do Vale do Pati. (Se você não quer fazer acampamento “selvagem” tem a opção de descer até o abrigo para dormir, custo R$35,00 por pessoa) – No abrigo pergunte onde fique a casa do Sr. Wilson (a trilha para Cachoeira do Funil começa lá).

Vale do Pati - Abrigo I

Vale do Pati – Abrigo I

Se optar por dar a volta você terá pelo menos 40 minutos de caminhada a mais que o outro trajeto e  encontrará um ponto de água na descida (indiferente).

Passando o abrigo pela única trilha no lugar você deve descer até encontrar um rio a sua esquerda, chegando no rio você pode esconder as cargueiras para ir com bolsa de ataque para o Morro do Castelo.

A trilha do Morro do Castelo fica bem próximo a este rio, chegando no rio olhe para sua esquerda (contra o fluxo da água) atravesse o rio e volte uns metros e verá uma trilha bem batida, essa é a trilha de acesso ao Morro do Castelo.

Clique e veja todas informações da trilha do Morro do Castelo.

A trilha de ida e volta do Morro do Castelo dura a manhã toda pois é um atrativo maravilhoso e você não deve ter pressa. Aproveite a gruta, beba a água e curta o visual.

Voltando da trilha do Morro do Castelo você pode ir até a casa do Sr. Wilson e conhecer a Cachoeira do Funil e depois escolha algum local para acampar (custo médio R$25,00).

3° Dia da Travessia do Vale do Pati – Cachoeira do Calixto e Mirante do Cachoeirão

Vale do Pati Cachoeirão - Foto Uol

Vale do Pati Cachoeirão – Foto Uol

Ao amanhecer vá até a prefeitura (próximo do Sr. Wilson) e você pode conhecer a Cachoeira do Calixto no sentido norte (fácil acesso) e depois seguir sentido sul em uma trilha única e bem batida subindo a serra através de uma fenda entre duas rochas, chegando no topo você terá o visual por cima do Cachoeirão (Neste trecho a navegação é muito complicada, recomendamos contratar um guia local. Valor médio R$40,00 por pessoa.

Vale do Pati - Abrigo II

Vale do Pati – Abrigo II

Esses dois passeios levam praticamente mais da metade do seu dia, por isso voltando do mirante do Cachoeirão você deve seguir o rio (o rio do Morro do Castelo) durante uns 30 minutos até encontrar uma ponte de concreto (???) sim nada haver né? Do outro lado da ponte você tem uma área de camping maravilhosa que pertence a uma família gente boníssima que moram no Vale do Pati, para conversar com eles siga por mais uns 10 minutos e você encontra o 2° abrigo de apoio, você pode acampar ou dormir no abrigo (Valor do camping R$25,00 – Valor do Abrigo – R$60,00).

Além dessa área de camping próxima a ponte você pode acampar a uns 5 minutos depois do Abrigo, este camping é mais próximo do Cachoeirão do Vale do Pati.

Dica: Sabemos que é caro, o almoço neste abrigo é R$30,00, mas vale a pena reservar o almoço pois a comida é caseira e praticamente tudo que vem no almoço é plantado por lá mesmo sem agrotóxico, isto é da forma natural (como tudo deveria ser) e sem dúvidas foi uma das melhores refeições de nossas vidas.

4° Dia da Travessia o Vale do Pati – Abrigo II x Cachoeirão do Vale do Pati x Subida do Império x Andaraí

Cachoeirão - Parte Baixa

Cachoeirão – Parte Baixa

Acorde o mais cedo possível pois hoje é o dia mais puxado da travessia do Vale do Pati, algumas pessoas fazem esse percurso em dois dias devido ao grande desgaste físico.

Esconda as mochilas ou as deixe no abrigo II para agilizar a caminhada. A trilha para o Cachoeirão segue em um caminho a direita do camping beirando o rio (que é o rio do Cachoeirão).

Após uns 20 minutos de caminhada a trilha começa a subir durante uns 30 minutos, quando você chega no “topo” da subida a descida começa e a trilha que era bem batida fica um pouco mais fechada, fique atento e siga sempre por um caminho batido (não precisa varar mato ou abrir trilha em nenhum momento, então se você estiver fazendo isso esta errado).

A descida é mais ingrime que a subida anterior e quando você chega no final dela a sua direita você estará de frente para o enorme poço do Cachoeirão do Vale do Pati. DIVIRTA-SE!

O tempo médio da trilha ida e volta é de 2 a 5 horas dependendo do ritmo de cada um.

Almoce e pegue as cargueiras no abrigo II e agora siga a trilha para esquerda, atravesse o grande rio e suba meio que varando mato para encontrar a trilha.

Vale do Pati - Visual da subida do Império

Vale do Pati – Visual da subida do Império

Você esta prestes a encarar a subida do império que é um eterno zigue-zague até o seu topo, a subida é constante mas não muito ingrime.

Esse trecho não tem nenhum segredo, você irá subir “eternamente” até chegar no topo onde você terá o último mirante da travessia do Vale do Pati.

No final da subida existe uma área de camping e algumas pessoas costumam acampar por ali e fazem a travessia em mais um dia.

Se você estiver bem, continue, agora uma descida aparentemente sem fim, durante uns 8 km até chegar na cidade de Andaraí para concluir a travessia do Vale do Pati.

Quer compartilhar as trilhas que você conhece? Cadastre-se é só 1 minuto cadastrando pelo Facebook.

“A Felicidade só é real quando é compartilhada!”

Dicas de extrema importância para fazer a travessia do Vale do Pati

Veja as dicas importantes para fazer o Vale do Pati:

Pontos de água no Vale do Pati

Vale do Pati - Cor da água

Vale do Pati – Cor da água

  • No 1° dia você tem água no inicio da travessia, no final da 1° subida e no córrego onde tem a bifurcação para direita;
  • No 2° dia você tem água no rio que cruza o Vale do Pati o tempo todo, na subida pro Morro do Castelo existe outro ponto de água, no seu cume, na Cachoeira do Funil e na casa dos moradores;
  • No 3° dia você tem água no inicio na prefeitura, casa dos moradores e na Cachoeira do Calixto;
  • No 4° dia você tem água no inicio da subida do Império e depois somente no inicio da descida sentido Andaraí (existe vários pontos de água na descida).

PS: Todas as águas da travessia do Vale do Pati são avermelhadas, pode tomar sem problema algum.

Pontos de acampamento no Vale do Pati

Veja todos pontos de acampamento no Vale do Pati:

No 1° dia

Vale do Pati - Atravessando Rio antes da subida do Império

Vale do Pati – Atravessando Rio antes da subida do Império

  •  Acampamento ao lado do córrego atravessando o mesmo pela trilha errada para sua esquerda, acampamento beirando a trilha cabe muitas barracas;
  • Você pode acampar também em vários trechos após subir até a crista (porém nesse ponto vale a pena seguir até o mirante);
  • Acampamento no mirante do Vale do Pati;
  • Acampamento nos inúmeros abrigos descendo o Vale do Pati.

No 2° dia

  • Acampamento nos inúmeros abrigos do Vale do Pati;
  • Acampamento no Morro do Castelo (poucas barracas)

No 3° dia

  • Acampamento nos inúmeros abrigos do Vale do Pati;
  • Camping selvagem no pé da subida do Império (até 8 barracas)

No 4° dia

  • Acampamento no final da subida do Império (até 5 barracas)

O que levar para Travessia do Vale do Pati?

Vale do Pati - Gruta do Morro do Castelo

Vale do Pati – Gruta do Morro do Castelo

  • Apetrechos de cozinha
  • Cargueira de pelo menos 60 litros;
  • Saco de dormir;
  • Barraca;
  • Isolante térmico;
  • Anorak;
  • Capa de chuva da cargueira;
  • Bota;
  • Roupas para caminhada;
  • Roupas para dormir;
  • Comida.

Esse é o básico para ir para a travessia do Vale do Pati.

Dicas extras da Travessia do Vale do Pati

Vale do Pati - Placa no começo

Vale do Pati – Placa no começo

  • Na Gruta do Morro do Castelo do lado oposto da nascente de água descendo tem uma fenda que da abertura pra outra parte da Gruta do Morro do Castelo até você sair em um mirante do outro lado do Castelo;
  • No Cachoeirão você pode subir até suas quedas pelo lado esquerdo;
  • Você pode acampar selvagem na travessia mas nunca esqueça de levar seu lixo;
  • Planeje a travessia em 5 dias para ter tempo extra em caso de cansaço ou atraso;
  • Convide somente pessoas experientes para travessia;
  • Existem vários trajetos para fazer o Vale do Pati, este é o trajeto tradicional;
  • É possível fazer a travessia de bike, porém em trechos como a subida do Império é muito sofrido.

Não perca tempo, faça a Travessia do Vale do Pati.

Outros atrativos naturais próximos do Vale do Pati

Além do Vale do Pati na Chapada Diamantina existem vários outros atrativos como por exemplo: Gruta da Torrinha, Cachoeirão, CachoeirãoCachoeira do Buracão, Morro do Castelo, Morro do Pai Inácio, Pratinha, Gruta da Lapa Doce, Poço Encantado, Gruta Azul, Poço Azul e a Cachoeira da Fumacinha.

Curta nossa página no Facebook e coloque para receber todas notificações para não perder nenhuma notícia de atrativos naturais maravilhosos em todo o Brasil.

Largamos tudo e estamos viajando o mundo de bicicleta cadastrando mais atrativos naturais com todas informações necessárias para facilitar sua trip! Apoie nosso projeto fazendo uma doação de qualquer valor!


Autor: Raphael Yamamoto
Posts escritos: 261

Raphael Yamamoto, apaixonado pela natureza, nascido em outubro de 1989, solteiro, vegetariano e profissional de marketing digital. - Meu maior sonho pessoal. Cair no mundão com meus irmãos do Cocô no Mato! - E o meu maior sonho para o mundo é tentar mostrar com esse blog uma vida diferente, idéias diferentes, valores diferentes dos atuais que esse sistema FD* implanta, fazendo nossas vidas uma obrigação atrás de outra e no final não vivemos, apenas sobrevivemos! PENSE PRA FORA DA CAXOLA GALERA, não deixe que o sistema implante vontades, valores, missões, modas entre outras coisas lixo em sua vida, isso só é benéfico para ele. LIBERDADE, FELICIDADE, AMOR E JUSTIÇA!

Compartilhe este post no

6 Comentários

  1. Relato Completão ! Além do lugar ser lindoooo!

  2. Oi, então vc possui algum vídeo? Fez tudo de bike mesmo?
    Eu fui a um mês e particularmente não achei nada difícil a navegação, sai de andarai e fui até o capão sem mapa, sem guia e não me perdi em nenhum momento… poucas bifucarções no trajeto que fiz…

  3. Eai Natachi tudo bem?

    Temos vídeos sim e estão em edição mas creio que irá demorar um tempo pra ir pro ar!

    Fizemos tudo de bike + na subida do império e em outros trechos tivemos que carregar a magrela.

    Concordo com você! Nem sei porque esta navegação difícil e eu mesmo que escrevi! kkkk foi mal! Vou colocar como média a navegação pois pra quem vem de outros roteiros ou começa pelo Vale do Capão como esta descrito da pra se confundir no momento que sobe sentido Mirante, como você veio de Andaraí provavelmente deve ter pegado o sentido certo descendo e cruzando o riachinho para esquerda. Mas pra quem vem é bem comum passar reto e tomar um perdidinho até voltar no riacho e ver a trilha subindo!

    Valeu a correção Nathachi se ler alguma outra coisa sem nexo nos avise que a gente corrige ;)!

    Beijão!

  4. Curti!

  5. Muito bom mesmo!

  6. Fizemos essa travessia também. Muito lindo andar pelo Pati, mas essa descida pra Andaraí! Deus me livre! A subida do império é fichinha perto da descida. Muito sol, pouca água pelo caminho, quase nada de sombra, muita pedra quente no chão e por todos os lados.. Desespero! Mas bem no finalzinho quando vi uns coqueiros e uma mangueira (árvore) sentei e chorei. De emoção, de gratificação, de alegria! Ver que somos capazes de resistir por tanto tempo, uma distancia enorme e basta andar. Muito maravilhoso! Quem puder, faça!

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *