Generic selectors
Resultados exatos
Buscar em títulos
Buscar no conteúdo
Buscar em posts
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
+ Natureza
Abandonados
Banner
Cachoeiras
Cachoeiras em Baependi
Cachoeiras em Biritiba Mirim
Cachoeiras em Boiçucanga
Cachoeiras em Bueno Brandão
Cachoeiras em Cubatão
Cachoeiras em Ilha Grande
Cachoeiras em IlhaBela
Cachoeiras em Joanópolis
Cachoeiras em Maromba
Cachoeiras em MG
Cachoeiras em Mogi das Cruzes
Cachoeiras em Paranapiacaba
Cachoeiras em Petrópolis
Cachoeiras em Prudentópolis
Cachoeiras em São Bernardo
Cachoeiras em São José do Barreiro
Cachoeiras em São Sebastião
Cachoeiras em São Thomé das Letras
Cachoeiras em SP
Cachoeiras em Tabuleiro
Cachoeiras em Visconde de Mauá
Cachoeiras em Votorantim
Cachoeiras na Bahia
Cachoeiras na Chapada Diamantina
Cachoeiras no Alto Caparaó
Cachoeiras no Espírito Santo
Cachoeiras no Paraná
Cachoeiras no Rio de Janeiro
Camping
Campings em Bertioga
Cata Lixo
Cavernas
Curiosidades
Dicas
Doação de Sangue
Economizar para viajar!
Entretenimento
Equipamentos
Fazendo o Bem
Grutas em São Sebastião
Grutas em São Thomé das Letras
Grutas na Chapada Diamantina
Iniciantes
Legais
Livros
Mergulho Livre
Montanhas
Montanhas em Aiuruoca
Montanhas em Atibaia
Montanhas em Baependi
Montanhas em Biritiba Mirim
Montanhas em Cunha
Montanhas em Espirito Santo
Montanhas em Extrema
Montanhas em Guarulhos
Montanhas em Ilhabela
Montanhas em Mairiporã
Montanhas em Minas Gerais
Montanhas em Mogi das Cruzes
Montanhas em Monte Verde
Montanhas em Passa Quatro
Montanhas em Petrópolis
Montanhas em Piquete
Montanhas em São Bento do Sapucaí
Montanhas em São José do Barreiro
Montanhas em São Paulo
Montanhas em São Thomé das Letras
Montanhas em Ubatuba
Montanhas em Visconde de Mauá
Montanhas na Bahia
Montanhas na Chapada Diamantina
Montanhas na Cidade de São Paulo
Montanhas na Lapinha da Serra
Montanhas no Alto Caparaó
Montanhas no Itatiaia
Montanhas no Rio de Janeiro
Outros
Paranapiacaba
Pedal
Plaquinhas do Bem
Poços Cristalinos
Praias
Praias em Bertioga
Praias em Ilha Grande
Praias em IlhaBela
Praias em Peruíbe
Praias em São Paulo
Praias em São Sebastião
Praias em Ubatuba
Praias no Guarujá
Praias no Rio de Janeiro
Queluz
Relatos
Roteiros
Segurança
Sustentabilidade
Travessias
Travessias em Cubatão
Travessias em Minas Gerais
Travessias em Mogi das Cruzes
Travessias em Paranapiacaba
Travessias em Passa Quatro
Travessias em Petrópolis
Travessias em São Bernardo
Travessias em São José do Barreiro
Travessias em SP
Travessias em Teresópolis
Travessias no Rio de Janeiro
Trilhas
Trilhas em SP

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov

O inacreditável “Incidente do Passo Dytlov” ou como é popularmente conhecido o “Caso dos Montanhistas Russos”, é uma história intrigante e totalmente misteriosa, uma das quais merecem ser contadas e investigadas para todo o sempre.

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov - Foto dos Russos

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov – Foto dos Russos

Nós do Cocô no Mato decidimos que algumas histórias valem a pena serem contadas e lidas por todas as pessoas inclusive por nosso público, pessoas que são “Trilheiros”, “Aventureiros”, “Praieiros” etc,  ou que simplesmente amam a Natureza como nós.

Em primeiro lugar esta história merece nosso ibope porque aconteceu durante uma empreitada de exploração de montanhas na Russia, por um grupo de jovens, porém experientes montanhistas Russos, pessoas que como nós eram apaixonados por aventuras e natureza e apesar das dificuldades estavam dispostos a enfrentar os desafios a sua frente e alcançarem seu objetivo. Alertamos que não temos a intenção de assustar novos caminhantes e muito menos desmotivar pessoas a saírem da zona de conforto dos centros, queremos apenas divulgar algo que apesar de triste é algo incrível e inacreditável e que tornou-se um dos grandes mistérios da humanidade.

A expedição foi montada para exploração ao norte das Montanhas Urais em Oblast de Sverdlovk, o grupo tinha a frente Igor Dytlov, e o time era formado por 08 homens e 2 mulheres, o intuito era chegar a Montanha Otorten (que na língua Mansi significa “não vá até lá”), que esta localizada a cerca de 10 quilômetros do local do incidente, esta empreitada era classificada naquela época como de categoria III o que em simples palavras era uma das mais difíceis de ser realizada, porém como todos já tinham experiência em esqui e montanhismo todos acreditavam-se aptos a realizar a empreitada.

Os aventureiros partiram de  trem para Ivdel, município ao centro da província de Oblast de Sverdlovsk, desembarcaram na cidade no dia 25 de janeiro. O grupo então fora de caminhão para Vizhai, onde fizeram a última parada num assentamento inabitado ao norte, a partir dali começaram a caminhada em direção a Otorten em 27 de janeiro. No dia seguinte, Yuri Yudin, teve de abortar a missão devido a problemas de saúde.

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov - Despedida

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov – Despedida

As câmeras e diários do grupo encontrados em seu último dia de acampamento foi o que possibilitou traçar a rota do dia anterior ao acontecimento, ao que se sabe no dia 31 de janeiro eles chegaram a beira de um morro e prepararam-se para subi-lo, em um vale eles estocaram comida e alguns equipamentos extras, que seriam utilizados na viagem de volta, no dia 1 de fevereiro eles iniciaram a descida e pelo que parece planejavam atravessar o local e acampar do outro lado.

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov - Últimas imagens

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov – Últimas imagens

Até este ponto o que se pode constatar de suas câmeras e diários é que todos os integrantes do grupo estavam extremamente felizes e envolvidos com a Trip, tirando inúmeras fotos, o frio no período chegou a 30 graus negativos, com ventos cortantes e literalmente congelantes, devido a uma nevasca, fortes ventos e pela péssima condição de navegação o grupo acabou perdendo-se e seguiram ao oeste em direção ao alto de uma montanha conhecida como Kholat Syakhl (na língua Mansi significa Montanha dos Mortos),quando perceberam que estavam fora da rota escolheram uma clareira num local com pouca vida, difícil de se instalar porém não queriam voltar a floresta que estava a cerca de 1 quilômetro e meio dali, devido ao tempo ruim e por não desejarem perder tempo com a volta.

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov - Última caminhada

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov – Última caminhada

Dyatlov havia combinado que logo que retornassem a Vizhai iria mandar uma mensagem telegráfica para seu clube esportivo, isso estava estimado para mais ou menos dia 12 de fevereiro, porém como este tipo de empreitada é comum atrasos nenhuma providencia foi tomada de imediato quando eles não retornaram contato na data marcada, só no dia 20 de fevereiro quando as famílias dos viajantes impuseram que era necessário iniciarem-se as buscas pelo grupo que o clube esportivo contatou alguns voluntários (professores e alunos) posteriormente a polícia e o exército foram contatados para auxiliarem nas buscas do grupo com helicópteros e aviões.

No dia 26 de fevereiro foi encontrado o acampamento abandonado, a barraca estava completamente destruída e um conjunto de pegadas seguiam em direção a floresta, mas cerca de 500 metros do acampamento já se perdiam encobertas pela neve, na orla da floresta junto a um velho pinheiro foi encontrada um pequeno vestígio de fogueira e quase junto a ela os 2 primeiros corpos que estavam apenas com as roupas de baixo e descalços, entre este pinheiro e o acampamento estavam mais 3 corpos em posições que sugeriam que estavam tentando retornar ao acampamento. Eles estavam separados nas seguintes distâncias de 300, 480 e 630 metros do pinheiro.

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov - Foto da barraca

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov – Foto da barraca

Os outros 4 montanhistas foram encontrados mais de 2 meses depois no dia 4 de maio abaixo de mais de 4 metros de neve num buraco próximo ao pinheiro.

A história vista até aqui apesar de trágica não demonstra fatores tão anormais se pensarmos que seria possível o grupo ter sido atacado por algum animal de grande porte o até por seres humanos mal intencionados. Logo que os primeiros corpos foram encontrados, por não apresentarem nenhum ferimento considerado fatal a causa morte fora considerada hipotermia, porém quando encontraram os outros corpos toda a investigação mudou, mas antes de entrarmos nesta parte da história vamos explora-la através dos detalhes obtidos pela perícia e os participantes do resgate.

Até o acontecimento na madrugada do dia 02 de fevereiro de 1959, o grupo tirou inúmeras fotos e pareciam muito contentes e envolvidos com a aventura, o frio no período chegou a 30 graus negativos, com ventos cortantes e literalmente congelantes, escolheram uma clareira onde estavam pois não queriam voltar a floresta para não perderem mais tempo.

A primeira coisa encontrada pelas equipes de Resgate foi a barraca do grupo a qual a perícia constatou que a mesma fora rasgada de dentro para fora com facas e canivetes, todos dentro dela ignoraram o frio e saíram correndo apenas de meias e com as roupas que estavam vestindo, largando botas e todos equipamentos de frio necessários para sobreviver sob aquelas condições.

Esta é a primeira incógnita desta história, o que faria 09 montanhistas experientes a se desesperarem ao ponto de rasgarem sua barraca, separarem-se ignorando o frio e a necessidade de seus equipamentos para sobreviver, lembrando que a perícia garantiu que nada comum os atacou de fora para dentro (pessoa ou animal), pois todos os danos na barraca foram causados de dentro para fora. Agindo como animais acuados os montanhistas fugiram descalços e sem suprimentos, desorientados desesperados com um medo que fica impossível de se imaginar, seguindo as pegadas até onde foi possível vê-las, próximos a um pinheiro encontraram vestígios de uma fogueira e dois corpos e um pouco além, mais três corpos.

Esses 5 corpos encontrados a priori e de forma a acalentar ou a impedir muitas especulações deram como causa morte Hipotermia, ignorando sinais de que com certeza não havia acontecido apenas isso com eles. Quando encontraram os outros 4 corpos foi impossível a sustentação da tese anterior, todos os 4 corpos possuíam feridas gravíssimas que os levaram a morte, estranhamente os 4 estavam com fraturas nos crânios e costelas, fraturas essas que os levaram a morte, porém 3 dos 4 corpos não apresentavam nenhum tipo de ferida externa, descartando assim ataques de pessoas ou animais e além disso o perito da época disse que o tipo de fratura que os corpos sofreram seria necessária uma força sobrenatural, pois a intensidade da força aplicada sob aqueles corpos era comparável a força de um acidente entre carros, e para ficar ainda mais bizarro o único corpo que apresentava uma ferida externa foi o que teve sua língua arrancada de sua boca.

Mas os mistérios não terminam ai, todos os corpos apresentavam um tipo de queimadura alaranjada nada comum e além disso as roupas dos 4 corpos encontrados posteriormente continham um elevado nível de radiação, e todos os corpos tinham sinais de envelhecimento precoce, inclusive cabelos que ficaram brancos.

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov - Corpos

O inacreditável Incidente do Passo Dytlov – Corpos

As autoridades tentaram de todas as formas impedir que o caso vazasse inclusive obrigou os corpos serem enterrados em caixões de zinco lacrados para que as pessoas não pudessem ver os corpos, afastaram um oficial do caso por considera-lo muito meticuloso, mas apesar das tentativas de segurar a história muitas pessoas haviam participado das buscas e investigações e a noticia vazou, pessoas que moram por aquelas regiões contaram que objetos circulares estranhos apareciam voando pelo local emitindo luzes laranjas e que na noite do acontecimento acorreu algo mais intenso, a energia elétrica na época parou de funcionar, especulação, fofocas ou inverdades talvez, mas em 1990 Lev Ivanov  chefe da investigação em uma entrevista concedida afirma que nos meses de fevereiro e março muitas pessoas incluindo meteorologistas e militares diziam terem visto esferas voadoras brilhantes e disse que na época pessoas correlacionavam os acontecimentos com o que acorreu com os montanhistas .

O caso foi oficialmente fechado em 1959 mesmo, como mortes causadas por “forças desconhecidas” e toda a documentação da investigação ficou trancada a 7 chaves até 1990, quando então a história veio oficialmente a público, porém notoriamente com partes de documentos faltando.

Esperamos sinceramente que a história não assuste, mas sim faça com que todos reflitam sob todos os ângulos da história, do ponto de vista religioso ou político.

  • Somos os únicos seres inteligentes do universo?
  • Que forças naturais ou sobrenaturais existem no nosso planeta?
  • Por que as autoridades se veem no direito de esconder este tipo de acontecimento? Por que acham necessário que as pessoas não saibam, não comentem e ou não reflitam?
  • Todos os corpos apresentavam um tipo de queimadura alaranjada, alguns haviam sido expostos a radiação e um deles teve sua língua cortada, por quem e para que?

Estas entre outras questões que podem vir a cabeça de qualquer um, o importante é refletir e repensar nós o mundo e o universo.

Valeu galera…

As fotos foram retiradas de várias páginas todos disponíveis no Google Imagem.

Um outro bom artigo e mais detalhado com alguma especulações e fotos e analises de foto vocês encontrarão no site abaixo:

http://www.viafanzine.jor.br/site_vf/pag/5/dyatlov_part01.htm

E um pequeno resumo apesar de que achamos um tanto quanto sensacionalista por resumirem demais a história para dar mais sentido ao que o programa acredita.

Curta nossa página no Facebook e vire nosso Fã para não perder nenhuma atualização.

Largamos tudo e estamos viajando o mundo de bicicleta cadastrando mais atrativos naturais com todas informações necessárias para facilitar sua trip! Apoie nosso projeto fazendo uma doação de qualquer valor!


Avatar

Autor: thiago.baioes
Posts escritos: 27

Nome: Thiago Henrique Baiões idade: 29 anosEstado Civil: SolteiroFormação: Pedagogia/MBA Gestão estratégica de negócios/ Psicopedagogia Institucional e clínicaHobbies: Ler, Ouvir música, Assistir filmes e TRILHAR POR AIPaixão pela vida e pelas pessoasFrases que me inspiram: "Vivo a viver a vida no segundo e no instante eu prefiro ser esta metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo." Raul Seixas"Liberdade, uma palavra que o sonho humano alimenta que não há ninguém que explique e ninguém que não entenda." Cecilia Meireles

Compartilhe este post no

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *